Skip to main content
cursos livres com certificado

Como incluir e estimular alunos com deficiência intelectual

Muito se fala em educação inclusiva e como ela pode mudar a vida de diversos estudantes na atualidade. A educação inclusiva tem por objetivo garantir o direito de todos a uma educação de qualidade. Ela apresenta como base a oferta de  igualdade de oportunidades em relação às diferenças humanas e sua valorização, independentemente de suas diversidades sociais, culturais, intelectuais, sensoriais, de gênero ou mesmo étnicas.

A educação não escolhe quem deve ter acesso a ela ou não, buscando, desse modo, disponibilizar o acesso e o aprendizado a todos, sem qualquer tipo de exceção. A inclusão diz respeito, principalmente, aos alunos que apresentam alguma necessidade especial de natureza intelectual ou física e cuja atenção e recursos necessitam ser diferenciados.


Infelizmente, os recursos disponibilizados para as pessoas que apresentam tais dificuldades, na maioria das vezes, são mínimos. Com essa defasagem na oferta de recursos de inclusão, o número de pessoas com deficiência que não frequentam a escola aumenta drasticamente.

Leia também: 8 formas de estimular o aprendizado do aluno na sala de aula

Dicas para o ensino de alunos com dificuldade intelectual

Para que a inclusão aconteça, é necessário saber quem são alunos que necessitam ser inclusos e suas necessidades específicas. Dessa maneira, será possível atendê-los da melhor forma. Pessoas que possuem deficiência intelectual precisam de atenção especial, e, para isso, existem algumas atividades e ações que podem ajudar na educação e no convívio em sociedade. Confira algumas dessas medidas:

 

  • Plano individual do desenvolvimento do aluno

 

O primeiro passo é ter um diagnóstico de um médico, somente dessa forma a elaboração de um plano de desenvolvimento será executada de maneira eficiente. Nesse plano individual precisam constar os dados do aluno, suas informações médicas e o depoimento dos pais sobre as atividades que o aluno consegue desenvolver e tudo que precisa ser ensinado. Depois disso, os professores poderão realizar um plano para aquele aluno, exibindo as expectativas e estratégias que serão usadas para alcançar os objetivos de ensino.

 

  • Exercícios práticos

 

Alunos que apresentam deficiência intelectual precisam, ainda mais que aqueles sem deficiência, praticar o que for passado em sala de aula, até que consigam fixar e assimilar o conteúdo apresentado. O currículo desses alunos precisa acompanhar o da turma, de maneira que os assuntos sejam trabalhados de forma mais simples  e objetiva, e, se necessário, em um período de tempo maior, respeitando o ritmo do aluno. Os exercícios desenvolvidos não podem ser infantis ou para idade menor do que a do aluno, bem como não podem muito fáceis, precisam respeitar o aluno, e não o subestimar. O nível de dificuldade precisa aumentar gradativamente, o estimulando e também acompanhando o ritmo apresentado por ele.

 

  • A aprendizagem

 

O educador precisa estar atento ao estilo de aprendizagem que é mais eficaz para cada aluno, como, por exemplo, se é visual auditiva ou outra. Depois de realizar essa identificação, busque os materiais que possam contribuir para a aprendizagem do aluno. O uso desses materiais é o que fará a diferença na forma de aprender e em como o aluno irá se sentir. Vale lembrar que o que importa é se o aluno está evoluindo e não a extensão de tempo gasto com isso. Tudo precisa ser dosado e oferecido na medida certa, sempre buscando o desenvolvimento intelectual do estudante da melhor maneira possível.

 

  • Provas ou avaliações

 

As avaliações vão depender do estilo e do ritmo de aprendizagem de cada aluno. A partir da identificação desses fatores é possível saber se será necessário realizar alguma adaptação nessas avaliações. O modelo de avaliação vai depender também do tipo de deficiência do aluno.  

Mesmo com atividades e cuidados diferenciados, é de extrema importância que os alunos com deficiência intelectual façam parte dos grupos ou duplas com a classe, proporcionando, dessa forma, uma integração e, consequentemente, uma maior aproximação e inclusão. Essas ações vão gerar diversos benefícios para os alunos em geral.

Os professores que atuam nessa área diferenciada necessitam sempre estar buscando aperfeiçoamento acadêmico através de cursos específicos para tal função. Dessa forma, os ensinos passados e a maneira que serão transmitidos vão ajudar ainda mais os alunos com deficiência intelectual.

Faça cursos de extensão com o Estude sem Fronteiras

Os educadores que prezam por sua profissão precisam estar sempre atualizados sobre sua área de atuação, por isso é importante buscar o  aperfeiçoamento acadêmico. Cursos de extensão são ótimas opções para aumentar o conhecimento e a capacitação.

O Portal Estude Sem Fronteiras pertence à Faculdade Metropolitana do Estado de São Paulo, na cidade de Ribeirão Preto e oferece mais de 800 cursos, que são ofertados a todo o Brasil. São cursos de Extensão, Aperfeiçoamento e Pós-Graduação.

O portal disponibiliza diversos cursos livres com certificado e cursos de educação inclusiva. Navegue pelo site e conheça as opções.

Veja mais: Curso de pós graduação | Curso de certificação | Cursos para professores