Saiba o que é metodologia de ensino e seus tipos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Saber escolher a escola para a criança é um dos maiores desafios enfrentados pelos pais, em que eles precisam entender quais as metodologias de ensino da escola e como elas podem influenciar na vida da criança. Isso acontece porque os métodos de aprendizagem podem variar de criança para criança. O que pode funcionar para uma, talvez não dê certo e nem seja o ideal para outra.

Por isso, o Estude Sem Fronteiras preparou um post detalhado sobre o que são as metodologias de ensino e como escolher uma.


O que são as metodologias de ensino

Elas nada mais são do que formas de ensinar e aprender um conteúdo, a partir de perspectivas diferentes sobre a orientação dos professores.

Cada instituição faz o uso de um método para atingir um objetivo e, assim, cada professor procura orientar o aluno conforme as diretrizes da escola e sua maneira pessoal de adaptar e passar aquele conteúdo.

Em um de nossos textos aqui no blog falamos mais sobre a psicologia da educação e a importância das abordagens com as crianças. Vale a pena dar uma lida e se inteirar mais no assunto que está tão presente em nosso dia a dia.

Vários apetrechos são usados no processo. Pode variar desde os mais clássicos, por exemplo, a leitura, até os métodos mais modernos, como recursos visuais, sonoros e performáticos.

Quais as principais metodologias de ensino?

Veja abaixo algumas das principais:

1. Método tradicional

O mais usado em nosso país e no mundo inteiro. Nada mais é do que um ensino centrado no professor, em que consiste numa exposição de conteúdo e cobrança. Além das aulas expositivas, se tem uma pressão por resultados positivos e conta com a reprovação daqueles alunos que não tem a média atingida conforme as diretrizes da escola.

2. Metodologia construtiva

Ao contrário do ensino tradicional, esse método visa colocar o aluno como o centro, e não o professor. Com isso, o aluno consegue desempenhar um papel mais ativo no processo de aprendizagem, fazendo com que seu senso crítico evolua por meio dos questionamentos.

Essa ideia surgiu a partir do psicólogo suíço Jean Piaget. Para ele, as interações entre o meio e o sujeito ocasionavam uma construção do conhecimento. Nesse caso, as turmas precisam ser menores, de modo que as experiências dos alunos possam contribuir para o aprendizado de cada indivíduo.

Dessa maneira, cada aluno tem a oportunidade de ser a própria estrela do seu processo de aprendizagem e se desenvolver no seu tempo.

3. Método Montessoriano

Essa metodologia foi desenvolvida pela educadora italiana Maria Montessori, após uma série de pesquisas científicas. A metodologia é focada na independência das crianças e o seu conceito é simples: as crianças conseguem aprender sozinhas e devem ser estimuladas a exercerem atividades de autonomia, de iniciativa e independência. Nesse processo, o professor adota um processo de guia.

Resumidamente, esse método oferece muito mais liberdade ao aluno em relação ao aprendizado.

As salas de aula não possuem uma forma tradicional de ensino, como carteiras enfileiradas. Os formatos utilizados, por exemplo, são em U ou com um ambiente diversificado. As carteiras, cadeiras e outros utensílios são da altura dos alunos.

No local são disponibilizados objetos próprios para a estimulação do aprendizado. As atividades são também distribuídas pela sala e o estudante tem a possibilidade de escolher o que fazer naquele dia.

4. Método Freireano

Um dos educadores mais conhecidos no Brasil, Paulo Freire criou esse método. Também conhecido como Educação Libertadora, compreende que o aluno pode se libertar através do conhecimento. Nesse conceito, o que o aluno já tem de conhecimento é valorizado e desenvolvido. Muito utilizado nas alfabetizações e pedagogias direcionadas para o ensino fundamental.

Nesse método de ensino, existem três fases no processo de desenvolvimento do pensamento crítico. Sendo elas:

  • Investigação temática: Aqui o professor deve conhecer a fundo, desde o conceito social até suas aptidões. A partir desse ponto, o professor planeja as temáticas a serem estudadas em sala de aula. Ou seja, tudo é com base nas experiências de vida.
  • Tematização: Professor e alunos, de maneira coletiva, passam por uma espécie de decifrar os temas escolhidos. Feito isso, é criado um problema, relacionado ao assunto, que deverá ser solucionado.
  • Problematização: Aqui a visão crítica começa a tomar forma. A motivação é colocar a mão na massa e criar soluções para os problemas.

Para este conceito apresentado, o diálogo se mostra como a melhor ferramenta para o aprendizado. Assim, o aluno entende melhor o mundo através do conhecimento e a educação se transforma em liberdade.

5. Método Waldorf

Com uma abordagem humanista, Rudolf Steiner desenvolveu essa metodologia visando um ensino interdisciplinar, prático e artístico. Nesse método a vivência e a prática vem antes dos elementos teóricos.

Ou seja, ela consiste no desenvolvimento físico, emocional e intelectual dos alunos através do equilíbrio entre a razão e sensibilidade. Isso é um processo que vai além de um método de ensino. Se quiser saber mais sobre como é o processo desse desenvolvimento, acesse nosso post detalhado sobre psicomotricidade e sua importância na aprendizagem infantil.

Essa metodologia tem seu ensino organizado em ciclos, ou seja, há as pautas interdisciplinares e práticas manuais. Por exemplo, atividades como artesanato, marcenaria e outras que possam desenvolver ainda mais os potenciais presentes nos alunos.

Não pense que isso se aplica apenas a crianças. Cada educador é responsável por uma turma durante os primeiros sete anos, e é ensinado sobre todas as disciplinas. No ensino médio, há professores especialistas em cada matéria específica. Até esse período ainda se tem a figura pedagógica.

6. Pikler

Com semelhanças a metodologia de ensino montessoriana, esse sistema foi desenvolvido por Emmi Pikler, é voltada para os indivíduos e na sua formação através de liberdade e autodeterminação, para poder obter e desenvolver seus conhecimentos.

Esse método tem como ponto central creches e escolas que se dedicam aos primeiros anos de processo de aprendizagem.

Tem um foco maior em crianças de até três anos, é explorado a autonomia e a segurança afetiva e social através das interações entre os próprios alunos. Ou seja, o método tem como base ser aplicado na capacidade que o aluno tem de aprender.

7. Metodologia Reggio Emilia

Esse sistema educacional foi desenvolvido pelo Loris Malaguzzi, um pedagogo da Itália. O nome dessa metodologia de ensino é derivado de uma região italiana, que sofreu muito com a Segunda Guerra Mundial. E foi nessa necessidade que veio esse método.

O conceito desse sistema é basicamente a criança sendo protagonista no desenvolvimento do conhecimento, com ajuda dos professores e da família. Ou seja, os educadores colocam-se em uma posição em que eles aprendem com os alunos.

Assim, a aprendizagem é pautada na participação de todos os alunos, por isso, ela jamais será a mesma. Resumidamente, a forma de pensar e o conhecimento são constantemente reconstruídos.

8. Método Logosófico

Esse método visa trazer o autoconhecimento e aperfeiçoamento em um procedimento de evolução consciente experimentado tanto pelos alunos quanto pelos professores.

A sala de aula possui um limite de alunos, pelo motivo dos educadores poderem acompanhar o desenvolvimento mental, físico, sensível e moral deles com uma maior atenção. Os ensinamentos obtidos, tanto na escola como em casa, servem como base para um humano empático voltado para as boas atitudes. Nesse caso, é necessário um empenho em conjunto entre a família e a escola no processo.

9. Método Freinet

Essa metodologia de ensino tem como objetivo trazer um ensino menos teórico e mais conectado à vida. Se tem a ideia de que a educação deve preparar o aluno para a realização de um trabalho.

A experimentação nesse método é incentivada, reconhece-se que ela permite progressões no processo de aprendizagem. Em relação aos materiais didáticos, eles possuem um papel secundário. Isso se deve por entenderem que eles não fazem parte da realidade da criança, ou seja, não agregaram em questões de estímulo ao aprendizado.

Nesse tipo de metodologia de ensino, a realidade é considerada fundamental. São incentivadas práticas em trabalhos coletivos, por exemplo, jornais escolares, trabalhos em grupo, aulas-passeios e troca de informações entre os estudantes.

Também é estimulado a ligação da comunidade com o ambiente político e social, apenas no entorno da escola e não de maneira geral, como também diversas maneiras de participação e colaboração.

10. Metodologia de ensino sala de aula invertida

Como o próprio nome já diz, esse é um dos tipos de metodologia de ensino com o modelo invertido em relação ao tradicional. Tem como característica o seu tipo híbrido e com o uso da tecnologia.

Por se tratar de uma inversão, o aprendizado não começa em sala de aula, e sim em casa. O aluno é quem terá que pesquisar, na internet ou em materiais online, sobre os temas passados previamente em sala. Assim, a criança já chega com o conhecimento em mente e debate com os colegas e os professores das respectivas matérias.

Com essa metodologia de ensino é possível a otimização de tempo, ou seja, em sala o assunto pode ser aprofundado com mais calma e as dúvidas melhores esclarecidas. Além disso, o aluno após a aula, pode aprender ainda mais o conhecimento com os materiais digitais que os professores podem disponibilizar.

Algumas características importantes que englobam esse método de ensino:

  • Protagonismo;
  • Flexibilidade;
  • Colaboração;
  • Autonomia.

Como escolher uma metodologia de ensino?

Antes que você possa escolher uma metodologia, tenha ciência de que nenhuma delas é a melhor ou que uma funciona mais que a outra. Existem aquelas que são mais adequadas a uma instituição de ensino, de acordo com suas propostas e diretrizes. Tendo isso em mente, é preciso saber escolher uma corretamente para que não haja adversidades no futuro.

Por isso, antes da escolha, é preciso saber de alguns detalhes. Por exemplo:

Conheça as diretrizes da escola

As escolas, em sua maioria, tem um propósito na criação, que é uma informação que está sob tutela dos diretores. Quando escolher uma metodologia de ensino, é preciso que as diretrizes da escola estejam de acordo com as propostas.

É preciso avaliar mais de perto se não existem oposições que podem colocar a escola em depreciação perante os pais, professores e alunos.

Conheça todas as possibilidades

Assim que conhecer melhor as diretrizes da escola, fica mais fácil escolher um método de ensino. Para a pesquisa, procure entender tudo a respeito dessas metodologias de ensino, desde sua criação até sobre avaliações de outros pais que já aderiram ao método

Faça testes pontuais

Caso a escola já conte com a metodologia tradicional e a direção busca considerar outras alternativas, é ideal que alguns testes sejam feitos com os alunos. A melhor forma de verificar quais métodos serão mais bem recebidos pelos alunos é colocá-los frente a frente com essa nova realidade. Nesse caso, os professores são uma fonte de consulta confiável, por terem mais controle da situação.

Lembre-se que o crucial é o desejo da família estar de acordo com o método da escola, para que a criança receba estímulos em conjunto que vão beneficiar em todo processo de aprendizado.

Esperamos que esse post tenha lhe ajudado!

Leia mais dos nossos conteúdos:
Como identificar e ajudar as crianças tímidas

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

Continue lendo: